André Rocha em 15/03/18

AMOR E MORTE – Por André Rocha (publicado pela primeira vem em Portal Cultura Alternativa)

Amig@s, dificilmente comento minhas poesias, mas nestes últimos meses, uma sequência de acontecimentos tirou do nosso convívio, de familiares a amigos e conhecidos, sem contar a lembrança de quem partiu há mais tempo.

Vou falar do tema de uma delas “A Morte” (página 60 do meu livro “Quase todos sentimentos em versos”). Trata-se de uma referência a um acontecimento inevitável para todos os seres vivos, mas que ainda assim provoca medo e desconforto e como o título já diz: A Morte.

Tal como o ciclo da vida, a poesia, embora “concreta”, começa com amor e termina com morte. Mas qual o sentido disso? Eu imagino nela todo o sentido possível, pois, se pararmos para analisar, a morte só tem relevante importância para quem ama! Já parou para pensar que sofremos com intensidades diferentes, bastando amarmos de fato pela pessoa que morreu? Ou seja, sofremos visceralmente com a morte de familiares e amigos próximos, mas apenas lamentamos a “passagem” dos demais, pois normalmente não os amamos.

Estou falando por mim e percebi que nos últimos anos, há uma triste tendência à banalização da morte, ou seja, pouco é feito ou cuidado para que as mortes não aconteçam, sejam acidentais ou provocadas por imprudência de trânsito, violência urbana, negligência médica, consumo excessivo de drogas(…). Resumindo, parece que está faltando amor ao próximo! Parece piegas, mas vejo como uma referência inevitável ao que esperamos de nós mesmos. Se amássemos mais, cuidaríamos mais para que as pessoas não morressem e quando viesse a acontecer, fosse do modo natural, ao findar o último pulsar da vida.

Como dizia Renato Russo, “É preciso amar as pessoas, como se não houvesse amanhã porque se você parar para pensar, na verdade, não há”. Então, faça isso: Ame, incondicionalmente, mas não deixe para amanhã!

André Rocha
www.andrerocha.net

Você gostou? Compartilhe:
André Rocha em 03/12/17
Em um sentido único e determinado,
Nós somos compelidos a caminhar.
Sob reflexo de heranças do passado
Julgamos o que aprendemos a julgar.
 
De modo que um passo não é dado,
Sem a jurisprudência então consultar.
Se é um direito do réu ficar calado,
A sua versão ninguém irá escutar.
 
Fica o cidadão então, mal governado,
Aquele que governa então acusado,
Que não parece querer se justificar.
 
Segue o povo, que já está acostumado
Ver pela justiça o quanto é insultado,
Sem saber, a quem ela então servirá.
 
André Rocha
03/12/2017
Você gostou? Compartilhe:

Tags: , , , , ,

André Rocha em 20/08/17
O epicentro das dores
que se faz meu coração,
Se nas pernas tremores
Enlouquecida está a mão.
No sismógrafo, os amores
E na cabeça, confusão.
As cartas dos navegadores
Só os levam a solidão.
 
André Rocha
Inverno 2017
Você gostou? Compartilhe:
André Rocha em 18/08/17
Ouço sons desagradáveis…
minha reação se iguala à inércia.
Não há como tapar os ouvidos,
pois os sons já ecoam em minha mente…
Taciturno, continuo inerte…
Não há resgate, não há modo de sair…
Por opção fiquei, por opção sofrerei.
Até o dia que souber que…
O sofrimento sou eu.

André Rocha
Inverno 2017

Você gostou? Compartilhe:
André Rocha em 08/04/17

O senhor da guerra não sabe o que é luta.
Não sabe o que é luto, nem sabe perder.
O senhor da guerra em sua piedade fajuta
Só diz intervir apenas para o mal conter.

Os sacos pretos anônimos nunca se viu
Pois o senhor da guerra é muito ocupado.
O senhor da guerra e seu interesse vil
Olha no espelho e nunca acha o culpado.

O senhor… não sabe o que é cova rasa,
Tampouco imagina tantas filas de cruzes.
Muitas as perdas e sem volta para casa,
Minutos de silêncio, apagam-se as luzes

Sentimento de perda aqui, ali, no mundo
Ódio induz ao ódio, falta até a esperança.
Todos já sabem, com um medo profundo:
“O senhor da guerra não gosta de criança.”

André Rocha

Você gostou? Compartilhe:

Tags: , , , , ,